Educação Financeira

Oportunidade para a poupança previdenciária

O economista e pesquisador José Roberto Afonso apresentou a versão do anteprojeto de lei de Proteção do Poupador Previdenciário (LPPP) em reunião dos colegiados do Grupo Abrapp, Sindapp, ICSS e UniAbrapp em maio. O trabalho está em fase final de aprovação para ser apresentado publicamente para a sociedade e para o Congresso Nacional.

Em sua apresentação, José Roberto realizou uma importante análise de uma nova tendência de forte aumento da poupança da população e das famílias que bateu todos os recordes recentes. Confira alguns pontos levantados pelo economista: 

Queda drástica do consumo 

Alguns poucos setores aumentaram, como telemedicina e entretenimento online. Mas o dado que impressiona é que a poupança disparou. Os dados da poupança dos EUA (que saíram no dia 29/05) dispararam. Nunca se poupou tanto em tão pouco tempo. 

Brasil segue tendência mundial 

EUA, Espanha e Itália registraram aumento da poupança e no Brasil não é diferente, as estatísticas foram divulgadas e mostram uma queda inédita no consumo nacional nas contas das famílias, reproduzindo o resto do mundo. 

Poupança do medo em esperança

O desafio é como transformar essa poupança do medo em uma poupança previdenciária voltada para o longo prazo. Esta é uma oportunidade para a Lei de Proteção ao Poupador Previdenciário (LPPP), transformando em poupança da esperança. Há prioridades do Congresso e do governo mais imediatas na prática no curto prazo. Porém oportunidades poderão surgir no momento da reconstrução. 

Colar a poupança com o investimento 

Outro desafio é colar a poupança com o investimento. Uma lei ajudaria a aumentar muito essa confiança. Então o projeto de lei conceitua que o poder público tem a obrigação de incentivar a formação da poupança e de proteger o respectivo poupador. Cabe à lei ordinária tratar quem será a autoridade reguladora.

Princípios da LPPP 

Os princípios são de transparência, de uma gestão responsável e participativa, desse sistema de poupança, de uma portabilidade permanente, de um tratamento tributário adequado e da supervisão governamental. 

Reconstrução 

Neste primeiro momento, o mais importante são as medidas no âmbito da saúde. Mas no segundo momento, a prioridade será a reconstrução. A proteção previdenciária e uma lei estimulando essa formação é um dos elementos chave para fazer essa reconstrução.

Fonte das informações, blog Abrapp.

01.

Faz bem ao planeta, ao seu bolso e à sua saúde: consumo consciente

Todos consomem produtos e serviços que trazem com eles efeitos, como o desmatamento, descarte incorreto de lixo e consumo de agrotóxicos, por exemplo. Mas, algumas pequenas atitudes no dia a dia podem trazer bem-estar ao seu bolso e à saúde, proporcionando uma vida mais tranquila no futuro. A ideia não é abrir mão de todos os pequenos prazeres, mas ao adquirir algum bem ou serviço, refletir um pouco e questionar como aquela aquisição irá torná-lo(a) mais feliz.

Com pequenas atitudes e mudanças de hábitos, é possível cuidar melhor do planeta, da saúde e também do nosso bolso, confira algumas sugestões: 

Mobirise

01.

Transporte 

Muita gente que pega o carro para ir à padaria, que fica a menos de 1 quilômetro de distância, e depois anda 4 quilômetros na esteira. Ah, claro! Há também aqueles que nem andam na esteira e reclamam que não tem tempo para fazer exercícios. Além de gastar combustível e acelerar o desgaste do automóvel, a pessoa acaba gastando também energia elétrica, usada para mover a esteira, e tempo, pois o trajeto à padaria poderia ser feito a pé, diminuindo o tempo a ser despendido na esteira.

Outra coisa simples é o uso do elevador. Para quem mora em andares baixos, por que não subir ou descer alguns lances de escada ao invés de gastar energia elétrica com o elevador? Além de ajudar a melhorar o condicionamento físico, o condomínio poderá economizar uma boa quantia na conta de eletricidade. 

02.

Reutilize 

Evite comprar outra vez o que você pode consertar, transformar ou reutilizar. Se preferir ter algo novo, veja a possibilidade de doar o que já tem ou vender para conseguir uma renda extra.

03.

Carne 

Nem todo mundo nasceu para ser vegetariano, mas estudos indicam que consumir carne (principalmente a vermelha) em excesso faz mal à saúde, mas também ao seu bolso e ao planeta. Com o aumento do preço da ração animal e de outros insumos para a criação de animais de abate, além de um aumento na demanda mundial por este produto, o preço da carne tem subido bastante nos últimos anos. Assim, uma pequena redução de consumo de carne pode gerar benefícios ao seu bolso e também à saúde.

04.

Planeje 

A impulsividade é inimiga do consumo consciente. Planeje antecipadamente e, com isso, compre menos e melhor. A lista de compras pode ajudar nessa tarefa e evitar que você compre mais do que precisa.

04.

Aparelhos eletrônicos 

Cada vez mais, os aparelhos eletrônicos têm se tornado descartáveis. Quem não conhece alguém que troca de celular todo ano? Além de gerar uma quantidade enorme de lixo eletrônico, cada vez que se compra o último modelo de smartphone, o consumidor gasta uma boa quantia de dinheiro.

04.

Vestuário 

Quantas roupas você tem no armário e que raramente saem de lá? E quantas delas você comprou por impulso? Além de desperdiçar o seu dinheiro, houve também desperdício de água, eletricidade e tecido para a sua confecção. Se você já não usa determinadas peças há mais de um ano, está mais do que na hora de doá-las para alguma instituição de caridade e permitir que alguém com menos recursos faça melhor uso delas, não?

04.

Responsabilidade social 

Em suas escolhas de consumo, evite olhar apenas preço e qualidade do produto. Assim você pode optar por produtos de empresas que tenham responsabilidade com seus funcionários, sociedade e meio ambiente.